sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Impublicável

Eu lhe escrevi naquela caixa de presente
que te amaria para sempre.
Já dizia, era birra.
Só.
Percebi.
Tarde demais para passar ilesa.
Meu “para sempre” não é até agosto.
Eu fingi.
Que poderia seguir incondicionalmente
enquanto você fazia seus planos solos na minha sala de estar.
Não consegui.
Ignorar que a falta de planejamento comigo machuca.


Mas eu quis viver contigo, todos estes dias.
Foram mais de 148 no total.
Acordar, fazer café, cuidar da nossa roupa limpa, o tênis sujo de lama.
Os cinemas, jantares, passeios longos a pé pelo centro.
Eu só quis agradar a você.
Ouvir uma música boa em sua companhia.
Agradar-me. Fotografar o melhor de nós.
Enquanto os outros diziam: “A gente não combina!”


Menti para mim mesma.
Desenhei um sonho comum.
Desejei você dizer que talvez também
pudesse me amar para além do 8.
Queria mesmo que fossemos infinitos.
Queria que tivéssemos nos dado a chance
de viver outra história.
Que escrevêssemos diferente.
Na sua língua. Na minha. Na nossa.
Que invertêssemos nosso avesso,
voltássemos ao começo e pensássemos no plural.

19 comentários:

  1. alias vamos trokar emails?
    se puder

    ResponderExcluir
  2. É , o para sempre, às vezes acaba em agosto.
    O meu acabou em fevereiro. Mas , não começaria de novo...hoje penso em infinito com outra pessoa!!

    Lindo, Gi

    ResponderExcluir
  3. pensar no plural é mudar a alma de casa, né?

    um beijo minha querida!

    ResponderExcluir
  4. Quanto talento minha florzinha. Tu escreves muito! Todas as vezes que me deparo com teus poemas, volto nos anos e lembro de mim mesma, escrevendo como tu escreves agora (não tão bem, é claro) mas, com a mesma ansia pela palavra, com o sentimentos palpitanto nas mãos. Escreva sempre, minha linda. Teu lirismo me encanta.

    Beijo

    ResponderExcluir
  5. Nossa, adorei a construção desse texto, muito bem enlaçado. Há parelelos no texto inteiro. Está praticamente argumentativo, e nenhum argumento pode ser contradito =).

    Belo texto

    ResponderExcluir
  6. Uau!!!!
    Vc me deixou sem palavras... é maravilhoso!!!!
    bju

    ResponderExcluir
  7. gostei do seu post :D
    beijos me escreve :**

    ResponderExcluir
  8. O meu pra sempre terminou em setembro.
    E por mais que eu tente, já não é mais possível reescrever essa história.

    Mas, a vida continua sim?!

    Beijo-beijo

    ResponderExcluir
  9. já disseram por vezes que o pra sempre sempre acaba.
    e restam só as gotas de café no fundo da xícara.
    e a letra S largada no chão, negando ajuntar-se ao resto da palavra.

    beijos, gi ;*

    ResponderExcluir
  10. Ahh.. amei a poesia!
    O "para sempre" nunca é o que queremos, de qualquer maneira ele acaba.
    Muito bom o blog!

    Beijoos'
    Boom Fim de Semana!

    ResponderExcluir
  11. Ficou muito lindo, de verdade *-*
    Suas poesias sempre me tocam!
    O meu para sempre tbm acabou, mas sei lá, a vida continua :/
    Beijão :*

    ResponderExcluir
  12. Ah, nem tenho muito o que dizer.
    Ficou show!
    Adorei mesmo.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  13. Acabar em Agosto.
    Vida no plural.
    Quase todos passamos por isso.
    Por mais desagradavel que seja.
    Mais vc passou isso com uma tal clareza que nem eu antes havia pensado que era assim mesmo.
    Arrasou muiito bom.

    Beiijos.

    ResponderExcluir