terça-feira, 8 de maio de 2012

Guardo





Gravei teu cheiro e teus olhos,
falando das feridas que a gente não cuida.
Das coisas que a gente não diz.
E você foi a-coisa-mais-especial-que-quase-me-aconteceu.
Das poucas coisas que sei.
Só.
Sei que devia ter falado contigo antes daquele Natal.
E quantas outras coisas a gente deve e não paga?
A gente quer e não faz?


Embrulhei o coração pra presente sem cartão nenhum.
Enderecei assim:  ''Pra ninguém abrir''

Joguei sujo nas escolhas.
Fiz do tempo um muro e me escondi.
Extraviei meu pensamento pra escapar do teu.
Te deixar passar.
Sem reagir.
Quis esquecer.
Sumir.


Tanto que fiz e me arrependo.
Ter me jogado nos braços,
de quem só me fez colecionar cansaços.
Tantos anos gastos,
que às vezes acho que esgotei do amor que era pra ti.
Que era pra ter sido contigo,
aquilo tudo e mais um pouco que eu vivi.
Mas entre nós não há culpados.
Porque ''nós'' talvez não há.




Me diz se é  possível continuar amando antes de sequer saber que sabia/podia/queria amar?



Só.
Acho que ainda quero.
Do lado certo.
Sem ser do avesso.
Pra ser melhor.
Pra ser de vez.

11 comentários:

  1. gosto muito de vir aqui também.
    lindo demais. me vejo aí.

    ResponderExcluir
  2. A incerteza as vezes nos frustra mais, do que uma resposta inesperada. Não saber se existiu a primeira pessoa do plural, e ainda assim sentir-se esperançosa, com um amor que borbulha em seu peito.
    Adorei o texto!

    ResponderExcluir
  3. Lindo, como os seus outros textos.
    Passei por algo semelhante, mas não seria eu dizendo as palavras da poesia... Deu para entender.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  4. suas palavras simplesmente me calam

    ResponderExcluir
  5. Sempre erramos desse jeito... dando o amor que sentimos para quem não queremos endereçar...


    Texto maravilhoso!


    xD

    ResponderExcluir
  6. Joguei sujo nas escolhas.
    Fiz do tempo um muro e me escondi.

    ResponderExcluir
  7. Sabe o que faltou?
    (e o que tem me faltado)
    O outro lado. A pessoa a quem o coração não endereçado surge nas mãos e então, ela coloca-se a abrir o pacote, a tirar as teias, a poeira, acerta o ritmo junto ao seu.
    A resposta pode sair a qualquer momento, mas não por uma boca apenas e sim pelo conjunto.
    Já tou viajando demais aqui. Mas bens sabes do que falo.
    Só falta eu saber e sentir sobre o que falo. Mas um dia chega a minha vez, assim como chegou pra ti.

    Como é bom te ler, mulher! Só falta as cervejas!

    ResponderExcluir
  8. pra ser concreto, pra ser palpável, pra durar.


    teus textos são realmente muito bonitos.

    beijo.

    ResponderExcluir
  9. Não faz assim comigo não. Que texto lindo, mais um pra minha coleção de "gosto muito".

    beijos

    ResponderExcluir
  10. Palavras que calam, fazem a mente viajar, sumir... E elas têm poder de deixar a mente cheia de expressões. No vago silêncio.
    Larisse

    ResponderExcluir