terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Roda a vida inteira, dentro de nós.



É preciso driblar o vazio, a completa falta ou excesso de tempo. Dois extremos. Evitar esse isolamento inconsciente, mesmo que seja de mansinho.


É necessário manter os alicerces para que a casa não caia, e quando falo em 'alicerces' me refiro à base, àquilo que sustenta, e você sabe. Manter família, em qualquer estado que seja, sendo ela desestruturada ou não, porque é o amor que nos veio pronto antes mesmo de botarmos os pés nesse chão. Manter laços não sanguíneos com um ou dois gatos pingados, pra perceber que qualidade difere de quantidade de pessoas.


É necessário (re)aprender a viver apesar dos tombos, porque tão necessário quanto (re)aprender é entender que nem sempre iremos tropeçar em algo maravilhoso. Vai ver a vida seja essa coleção infindável de tropeços até que finalmente se aprenda a andar. No meio dela a gente faz de conta que quer desistir, chora, sonha acordado, fala alto com o nada naquelas vezes-de-querer-falar-com-ninguem. Mas a sede de existir é tão maior do que possamos imaginar que a gente logo volta à tona, se levanta e torna a cair como numa dança involuntária-alucinógena-incansável entre realidade e fantasia, onde todo mundo entra na roda, sem exceções.

13 comentários:

  1. E que esses alicerces sejam fortes.
    Porque tombos virão, mas o mais importando é ser forte.
    Superar a dor.

    ResponderExcluir
  2. Tudo o que é bom fica ruim para nos faz crescer.

    ResponderExcluir
  3. Boa noite.
    Desculpa o incomodo, mas venho hoje pedir que olhe com carinho meu blog de resenhas literárias, o O Leitor.
    Se puder fazer parte, agradecemos.

    Obrigada e uma ótima quinta-feira. Beijos,

    Pamela.

    ResponderExcluir
  4. ouch, essa foi aquela remexida na gente.

    ResponderExcluir
  5. Seu texto é incrível, de verdade. Mexeu muito com o que penso e o que vivencio. Parabéns, você merece.

    ResponderExcluir
  6. ''Mas a sede de existir é tão maior do que possamos imaginar que a gente logo volta à tona''

    imergir é consequência, a água da vida faz isso com agente. voltar a superfície é privilégio.

    Evelyn Colaço

    ResponderExcluir
  7. "Vai ver a vida seja essa coleção infindável de tropeços até que finalmente se aprenda a andar."

    nossa, gio.. muito bom mesmo. e, vc sabe, isso não é novidade, mas gosto pra caramba daqui.

    beijo grande e feliz ano novo. que o que precise de renovação seja renovado. que o que precise de reconstrução seja reconstruído.

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. amiga me arrepiei pq nesse momento me identifico muito com seu escrito

    ResponderExcluir
  10. Estranho eu não ter visto nada disso aqui antes. Continua estranho depois de lido, mas acho que é assim mesmo.

    ResponderExcluir
  11. 'Manter laços não sanguíneos com um ou dois gatos pingados, pra perceber que qualidade difere de quantidade de pessoas.'

    Adorei.

    ResponderExcluir
  12. "é o amor que nos veio pronto antes mesmo de botarmos os pés nesse chão" lindo seu texto, andamos dando valor à esses amores que nos pedem mais do que dão, e esquecemos daquele amor que nunca cobrou nada de nós.

    ResponderExcluir