segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Air.




E a frase “que seja eterno enquanto dure” não sai daqui de dentro.
Mesmo que pudesse ser só até o dia seguinte, preferiria que fosse intenso.
Assim do meu jeito de quem não sabe viver as coisas pela metade.
Quero te levar comigo, pra conhecer tudo o que conheci ontem.
Porque sempre quero te ter por perto, nas piores e melhores situações.
E ontem meu pensamento era só terminar aquele jantar, voltar pra casa
e tentar reverter tudo que eu fiz.
Enquanto pulava de uma cerveja pra outra 
Enquanto falava de você a eles,
observava os desenhos delicados na parede e o espelho antigo.
Era a nossa cara.

Tenho que te levar nesse lugar, enquanto dure.
E em todos os outros que planejamos.
Na praia que você disse que queria ir, num bate e volta.
Pra ver o mar do lugar mais alto que tiver por lá
Pisar na areia, ir de mãos dadas pra qualquer lugar.
Nossa casa imaginária.
Faz de conta que é na Lapa.
Vou até lá reservar um cheiro de mato.
Uma pequena Clarice para brincar no jardim.
Um cachorro grande de raça qualquer.
Pra impor respeito.
Rede na varanda.
Dias de sol.

Não se preocupe, vou encomendar os nossos sonhos.
Um entardecer com chuva fina, fria.
Brisa e arrepios de leve.
Caminhar.
Vou te levar pra gastar desse nosso sentimento.
Sem culpa. Sem preservar.
Antes, precisamos viajar.
Cuba.
Cozinhar.
Nos por em ordem.
E uma foto para cada vestido meu.
Poemas que viram situações.
Situações que viram poemas.
Desejos a desejar. Podemos tudo até agosto chegar.
Situar bem as agulhas sem me pinicar.
Linhas que viram palavras.
Que viram frases bem colocadas.
Parágrafos inteiros de zelo.
Apelos.
E eu te pedindo pra ficar.

Vem, vamos lá no nosso bar.
A gente pode tudo.
Vivendo o todo.
Se usar.
Sem se apegar.
É mentira.
Até agosto.
Ao seu gosto.
Amor voar.

14 comentários:

  1. É sempre um enorme prazer visitar esse blog e me encontrar nas suas palavras. Mais uma vez, irresistível perfeito jeito de expressão.

    ResponderExcluir
  2. como vc faz isso? meo dels, quero chorar, muito.

    ResponderExcluir
  3. um dos seus melhores... quero um dia inspirar alguém metade do que as pessoas te inspiram!

    ResponderExcluir
  4. eu concordo com a Letícia.. um dos melhores que já li aqui. e, sabe, Gio, é mais bonito e dá mais vontade/saudade de tudo por perceber a verdade em cada uma das palavras, por enxergar cada uma das situações. a gente sempre quer rimar com o outro. sempre, sempre. fecha os olhos pra imaginar as cenas. ou lembrar, quem sabe... no mais, o que quero dizer é que, mesmo que não seja como antes, ainda é válido. tentar jogar amor fora quando é tão grande assim, acaba sendo uma grande perda de tempo. que sejam vividos os últimos - ou primeiros - suspiros. se for pra curar/passar, uma hora isso acontece. aproveitemos. saibamos voar.

    ResponderExcluir
  5. Doeu aqui em mim.
    Chorei.
    Foram muitas emoções.

    ResponderExcluir
  6. Passei em cada cena... e me vi em Agosto :)

    ResponderExcluir
  7. Achei lindo como se expressa.
    "Vou até lá reservar um cheiro de mato.
    Uma pequena Clarice para brincar no jardim.
    Um cachorro grande de raça qualquer.
    Pra impor respeito."
    Amei.

    ResponderExcluir
  8. " Venha prestigiar o novo autor no CLUBE DOS NOVOS AUTORES;
    para participar do sorteio dos livros, basta seguir o blog e comentar;
    quanto mais você comentar, mais chances tem de ganhar!"
    Obrigada por seguir-nos!
    Evanir
    Relações Públicas
    do CLUBE DOS NOVOS AUTORES
    http://clubnovosautores.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Sabe todos nós temos essa liberdade, de fazer o que bem entender.
    Mentiras sinceras me interessam!

    ResponderExcluir